A História do Meridiano de Greenwich

Principal meridiano que corta a Terra é o meridiano de Greenwich. É ele quem estabelece os fusos horários de cada região. Mas, para entender como este processo geográfico acontece é importante entender o que é um meridiano.

 

Para quem não se lembra, ou ainda não conhece o tema, meridianos são linhas imaginárias que cortam a Terra verticalmente, sendo que o principal deles é meridiano de Greenwich, o seu reconhecimento como referência é em razão de sua aceitação em âmbito global. Sua função é servir como referência para o cálculo de distâncias (Longitude) e estabelecer o fuso horário de cada região, correspondente a uma faixa de quinze graus de largura. O horário do Meridiano é chamado de Greenwich Mean Time – GMT. O meridiano atravessa sete países localizados na Europa e na África: Espanha, França, Reino Unido; Gana, Burkina, Faso, Mali e Argélia; além de mais dois Continentes.

 

O meridiano de Greenwich passa sobre a região de Greenwich, nos arredores de Londres, na Inglaterra e divide o Globo Terrestre em Oriente e Ocidente. Pode-se medir, com o auxílio do meridiano, a escala de Longitude. A métrica foi estabelecida por George Biddell Airy em 1851 e convencionado internacionalmente no ano de 1884. Antes de ser cotado como o primeiro meridiano, havia a possibilidade de usar os meridianos de Coimbra, o de Paris e o de Cádis. Como a Inglaterra no período exercia forte influência no mundo, optou-se, portanto, por uma nomenclatura em inglês.

 

A contagem do dos graus de longitude, até meados do século XIX, em países como Portugal,  era feita através do Tempo Solar Médio, e era medido com dias contados que somavam 24 horas. Mas há uma diferença de horário, por exemplo, que acontece no país em relação ao fuso que se estabelece no meridional de Greenwich. Isto acontece porque quando houve a adoção oficial pelo fuso do meridiano, os portugueses atrasaram os relógios em 36 minutos e 44 segundos, de acordo com o Observatório Nacional de Lisboa, que até então era quem regulava os horários.

 

Até os anos de 1884, a grande parte das embarcações ainda usava como orientação o horário do Observatório Nacional de Lisboa, mas em uma conferência realizada em Washington, DC, e mediada pelo então presidente dos Estados Unidos, Chester A. Arthur, em que foi determinado que o meridiano de Greenwich fosse usado por todos como sendo a única referência para marcar longitude e fusos horários.

15. abril 2015 por Geografia Legal
Categoria: Geografia, História | Tags: |